O padre e a moça

Direção e roteiro: Joaquim Pedro de Andrade

Drama, 90 min, 1965, 14 anos

Elenco: Helena Ignez, Paulo José, Mário Lago, Fauzi Arap

 

Num garimpo de diamantes decadente à beira do Rio das Pedras, numa região serrana próxima a Diamantina, um jovem padre chega para dar a extrema unção ao idoso vigário Antonio. Antes de morrer, o moribundo sussurra algo ao padre e o comerciante Fortunato ouve o nome de sua jovem amante. O comerciante tomou Mariana por amante quando ela se tornou moça e queria se casar com ela, mas o padre Antonio negou. Depois do enterro do vigário, o novo padre aceita realizar o casamento, mas fica relutante ao saber que Mariana o deseja e que ele também a quer.

 

Com roteiro inspirado em poema de Carlos Drummond de Andrade, o primeiro longa de ficção de Joaquim Pedro de Andrade (1932-1988) ganhou os prêmios de melhor fotografia (Mário Carneiro) e melhor atriz (Helena Ignez) no Festival de Brasília de 1966 e foi indicado ao Urso de Ouro no 16º Festival de Berlim. O filme foi rodado em São Gonçalo do Rio das Pedras, Gruta de Maquiné e Serra do Espinhaço, no estado de Minas Gerais.

Fale conosco

Ente em contato com o festival.

Enviando

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?