Curtas de alunos de escolas públicas surpreendem no FBCB

Criatividade e melhoria na qualidade estética foram reveladas nas produções das novas gerações de Brasília

 

O Cine Brasília, principal sede do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, foi completamente ocupado por 1.500 jovens nesta segunda (18) e terça-feira (19). A causa é nobre: o cinema como ferramenta de transformação na vida de alunos do ensino médio e fundamental do Distrito Federal. Entre selfies com a réplica gigante do Candango, os olhares curiosos mostravam o entusiasmo de estar ali.

 

Em sua 3ª edição, o Festival de Filmes Curta-Metragem das Escolas Públicas de Brasília, realizado pela Secretaria de Estado de Educação em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura do DF, reuniu 163 filmes inscritos e premiou 18 produções locais. A iniciativa, que neste ano trouxe o tema “Se é público, eu também sou responsável”, presta homenagem à professora e cineasta Maria Coeli.

 

Do Ensino Fundamental, os premiados foram: Melhor ator: “De perto ninguém é normal!”, para Marcelo da Paz Cruz; Melhor Roteiro: “Ágora”, de Elizabeth Pereira; Melhor Atriz: “A Vida de Garibalda”, com Jackeline dos Santos; Melhor Montagem: “O valor do silêncio”, de Júlia Ada; Melhor Fotografia: “Lembranças”, de Léo Júnio; Melhor Direção: “Contatinho”, de Rebeca Silveira. “A revolução das cadeiras” levou os prêmios de Melhor Abordagem do Tema e Melhor Filme pela Comissão Julgadora, enquanto o selecionado pelo Júri Popular foi “Libere seu mundo melhor”.

 

No 2º dia de Curtas das Escolas Públicas, com produções de alunos do Ensino Médio, a subsecretária de Políticas de Desenvolvimento e Promoção Cultural, Mariana Soares, revelou a Melhor Montagem a Fabiana Lira, em “Provocações H20”, que declarou ter sido “a melhor experiência da vida”. Carlos Juca Pacheco, diretor de Conteúdos Digitais do GDF, entregou o prêmio de Melhor Fotografia a Lucas Viveiros, por “A direção certa”. Daniel Damasceno Crepaldi, da Subsecretaria de Educação Básica, premiou o Melhor Ator, Alefe Pinheiro Caixeta, em “Ambivalente”.

 

O prêmio Melhor Atriz foi para Indiara da Silva de Castro em “Contrastes de Branco”. O Melhor Roteiro saiu para Lucas Emanuel Dias, pelo filme “Os selvagens do ensino médio”. O Espaço Cult condecorou o vencedor na categoria Direção, João Vitor Pinheiro, com “100% Ocupado”. Recebeu o prêmio de Melhor Abordagem do Tema, “Entre chicletes e pichações”. O Melhor filme pelo Júri Popular saiu para “O público”; enquanto o Melhor Filme pela Comissão Julgadora foi “Not easy”.

 

Os alunos que subiram ao palco agradeceram a atenção dos professores que se engajaram no projeto e mobilizaram as escolas. A organização do Festival prestou homenagem aos profissionais do Canal E (SEDF) pela grande contribuição na iniciativa. Além dos troféus, aos vencedores do Ensino Fundamental serão ofertados cursos pelo Espaço CULT, enquanto os sagrados do Ensino Médio nas categorias Ator, Atriz, Diretor, Montagem, Roteirista e Fotografia receberão bolsas de estudo do IESB.

 

Também compõem a programação do 3º Festival de Filmes Curta-Metragem das Escolas Públicas de Brasília os seguintes workshops: (1) Captação de imagem, com Luiz Eduardo Siqueira de Almeida; (2) Documentário: é quase tudo verdade, com Paulo Duro Moraes; e (3) Cinemando, Kennel Rogis Paulino Batista Nunes. O conteúdo completo sobre a iniciativa está disponível neste link.  

 

Patrocínio

A 50ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro conta com os seguintes patrocinadores: NET, Claro, Petrobras, BRB, BNDES e Sabin.

Fale conosco

Ente em contato com o festival.

Enviando

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?