41º Encontro do Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro

Voltar

Uma aliança pela memória

 

Entre todas as artes, o cinema é seguramente a que mais expressa a nossa herança cultural e a que permite assumir nossa identidade na sua inteireza.

 

Certamente, com essa assertiva em mente, no já longínquo ano de  1965,  Paulo Emílio Salles Gomes propôs à Fundação Cultural do Distrito Federal a realização de uma Semana do Cinema Brasileiro, que depois se tornaria o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, criado em 1967. O consagrado crítico tinha como motivação sua preocupação com o nosso cinema, o que também o levaria a idealizar a criação do Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro (CPCB), um órgão cujo principal objetivo é a preservação do nosso cinema.

 

Consoante com esse espírito, o CPCB está realizando seu 41º encontro no Festival com um painel sobre o centenário de Watson Macedo e uma sessão com Aviso aos navegantes, dirigido por ele, e o primeiro filme restaurado do Programa de Preservação do Centro.

 

O filme – uma das melhores obras da fase da chanchada do cinema brasileiro –  tem no elenco, além da famosa dupla Oscarito e Grande Otelo, muitos ícones daquele fértil período do nosso cinema, tais como José Lewgoy, Anselmo Duarte, Eliana, Ivon Curi, Emilinha Borba, Jorge Goulart e tantos outros. Além disso, suas cenas fazem parte de um pedaço da nossa história cultural e da nossa memória.

 

Neste ano, também tem continuidade a concessão do Prêmio Marco Antônio Guimarães, criado pelo CPCB, que está em sua 23ª edição. O Prêmio é conferido ao filme – eleito entre os participantes do Festival – que melhor utilizar material de pesquisa do cinema brasileiro.

 

Quando o Festival de Brasília chega à sua 52ª edição  – o CPCB sente-se  honrado de mais uma vez participar deste Festival, que tem sido aliado do cinema brasileiro e imprescindível  para seu desenvolvimento e continuidade.

 

Myrna Silveira Brandão – Presidente do CPCB

www.cpcb.org.br