Cerimônia de Abertura e Encerramento

CERIMÔNIA DE ABERTURA: Filmes

FILME DE ABERTURA – LONGA-METRAGEM

 

Não devore meu coração!

Direção: Felipe Bragança

Drama, 108 min, 2017, RJ, XX anos

Elenco: Cauã Reymond, Eduardo Macedo, Adeli Benitez, Leopoldo Pacheco, Cláudia Assunção, Marco Lóris, Márcio Verón, Zahy Guajajara, Ney Matogrosso

 

Joca, brasileiro de 13 anos, e Basano La Tatuada, uma menina indígena paraguaia, vivem na fronteira entre os dois países, marcada pelas águas do Rio Apa. Joca está apaixonado por Basano e quer fazer de tudo para conquistar seu amor. Mesmo que para isso tenha que enfrentar as violentas memórias da Guerra do Paraguai que assolou a região e os segredos de seu irmão mais velho, Fernando, um misterioso agroboy envolvido com uma perigosa gangue de motociclistas da região. Roteiro inspirado em contos de Joca Reiners Terron.

 

Cineasta formado pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Foi corroteirista de Karim Aïnouz nos longas O céu de Suely (no qual também foi diretor-assistente) e Praia do Futuro, e foi um dos roteiristas da série Alice, da HBO Latin America. Dirigiu, com Marina Meliande, os longas A fuga da mulher-gorila e A alegria.

 

***********************************************************************

Festejo muito pessoal

Direção: Carlos Adriano

Documentário, 9 min, 2016, SP, livre

 

Tendo como ponto de partida o artigo “Festejo muito pessoal”, escrito em 1977 pelo crítico e professor Paulo Emílio Salles Gomes (1916-1977) e publicado postumamente, este ensaio poético estrutura-se com uma reapropriação de arquivos – evocando não só trechos de filmes citados no texto de Paulo Emílio, como de outros a partir de afinidades diversas. Chama-se, assim, atenção para a importância da preservação dos filmes, diante da enormidade de títulos perdidos ao longo da história e não mais passíveis de recuperação.

 

Carlos Adriano é cineasta e mestre em cinema pela Universidade de São Paulo, sua obra lida foi exibida em festivais no Brasil no e exterior e lida, de forma experimental, com fragmentos da memória artística e cultural brasileira. Dirigiu, entre outros, os curtas Das ruínas à existência, A voz e o vazio: a vez de Vassourinha, Remanescências e o longa Santos Dumont: Pré-cineasta?.

CERIMÔNIA DE ENCERRAMENTO: Filme

FILME DE ENCERRAMENTO – LONGA-METRAGEM

 

Abaixo a gravidade

Direção: Edgard Navarro

Ficção, 109 min, BA, 16 anos

Elenco: Bertrand Duarte, Everaldo Pontes, Ramon Vane, Rita Carelli

 

Afeito a coisas simples aprendidas em muitos anos de vida solitária no campo, Bené revela-se suscetível às flechas erráticas de Cupido, tornando-se presa fácil de uma paixão temporã que o trará de volta à cidade grande.

Edgard Navarro dirigiu os curtas Porta de fogo (1985), Lin e Katazan (1986), ambos premiados no Festival de Brasília, e o média-metragem SuperOutro (1989), selecionado para os festivais de Havana, Tróia, Nova York e Helsinque e premiado no Festival de Gramado. Lançou em 2005, seu primeiro longa-metragem, Eu me lembro, vencedor de sete troféus Candangos.

Fale conosco

Ente em contato com o festival.

Enviando

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?