Abertura do 50º Festival de Brasília emociona público na capital do cinema

Em sua edição comemorativa de 50 anos, o mais antigo festival brasileiro abre sua programação com notado entusiasmo de atores, diretores e cinéfilos

 

Procurar um lugar para se sentar se torna última escolha após entrar no mundo criado para comemorar o 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, cuja abertura aconteceu nesta sexta-feira (15) em sua tradicional casa: o Cine Brasília A solenidade que abriu a edição comemorativa encheu os olhos daqueles que acompanharam a emocionante encenação do ator Matheus Nachtergaele, que repetiu a mensagem: “50 anos são outros 500 que viveremos agora”, fazendo referência a um espaço não só de apreciação cultural, mas de contínua luta por políticas de diversidade cultural.

 

Saudosamente o público acompanhou a cerimônia, com a apresentação dos atores Juliano Cazarré e Dira Paes, que expressaram suas fortes ligações com o tradicional Festival de Brasília. O convite para reviver a história do FBCF foi feito pelo Secretário de Cultura do Distrito Federal, Guilherme Reis, que ainda anunciou a criação do Parque Audiovisual de Brasília, Film Comission e Brasília filmes, que ficará localizado próximo ao Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB e tornará a capital um polo da indústria visual da região. Reis mencionou ainda a importância de descentralizar o Festival para outras cidades do DF, chegando a 12 RAs nesta edição.

 

Receberam homenagens no palco, com amplo apoio e aplauso do público, Marcio Curi, Manfredo Caldas e Geraldo Moraes. A grande contribuição dos diretores para o cinema nacional foram lembrados com a exibição dos curtas metragens: “Quando Márcio virou estrela” (DF, 2017, 6 min, Livre), de André Luís Oliveira, em homenagem a Márcio Curi e Manfredo Caldas; e “Um cineasta no coração do Brasil” (DF, 2016, 5 min, Livre), homenagem a Geraldo Moraes dirigida por Bruno Torres, seu filho.

 

Lançado em 2016, a medalha Paulo Emílio Salles Gomes reverenciou nesta edição Nelson Pereira dos Santos, realizador paulistano de “Vidas Secas”, “Rio Zona Norte”, “Como era gostoso o Meu Francês”, que marcou a história do cinema brasileiro. Das mãos de Vladimir Carvalho e do primeiro ganhador da medalha, Jean-Claude, filho e neta de Nelson Pereira dos Santos, Diogo e Milla Dahl, receberam a condecoração e leram texto assinado pelo homenageado:

 

Sob afeição dos presentes, foi apresentada a equipe de produção e o elenco do longa “Não devore meu coração”, dirigido por Felipe Bragança, que recebeu destaque no Sundance Film Festival e no Berlinale – Festival de Cinema de Berlim. A produtora Marina Meliande mencionou o esforço para viabilizar o projeto, rodado nas cidades de Bela Vista e Bela Vista do Norte, na fronteira do Brasil com o Paraguai. Em seguida, o ator Cauã Reymond falou do privilégio de compor o elenco e de estar pela primeira vez no FBCF: “Estou muito contente por essa noite, por esses 50 anos, e por estrear nesse renomado Festival. Espero que vocês gostem do filme”, finalizou.

 

Exibições da noite

O público acompanhou a exibição do curta “Festejo muito pessoal” (SP, 2016, 8 min, Livre), de Carlos Adriano, produzido no centenário de nascimento de Paulo Emílio Salles Gomes, em 2016. O filme parte de artigo escrito por Paulo Emílio em 1977, que seria publicado como homenagem póstuma ao crítico e professor, figura chave para a criação do curso de cinema da Universidade de Brasília, e um dos nomes responsáveis pela fama do FBCB como precursor das mais diversas estéticas do cinema brasileiro.

 

Também atraiu grande atenção dos convidados o longa “Não devore meu coração” (RJ, 2017, 108 min, 14 anos), que narra um caso de amor entre menino brasileiro e menina indígena paraguaia, às margens fronteiriças do Rio Apa. A obra é uma ficção inspirada em contos de Joca Reiners Terron que recupera a memória da Guerra do Paraguai e traz no elenco Cauã Reymond, Eduardo Macedo e Adeli Benitez.

 

Outro ponto alto da noite foi o lançamento do aplicativo ‘Festival de Brasília’, que reúne programação do FBCF e por meio do qual será feita a escolha do filme vencedor da categoria Júri Popular nas mostras competitivas. Também foi alvo de elogios o amplo ambiente externo do Cine Brasília. O público elogiou a diversidade de opções na praça de alimentação ambientada com uma exposição cronológica com cartazes dos filmes vencedores de todas as edições do Festival de Brasília.

 

Serviço

Festival de Brasília do Cinema Brasileiro – 50ª edição

Quando: 15 a 24 de setembro de 2017

Programação completa: http://www.festivaldebrasilia.com.br/

Fotos: https://www.flickr.com/photos/152011896@N03/albums

Fale conosco

Ente em contato com o festival.

Enviando

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?